ponte

uma cidade que começa com uma ponte ligando lugar nenhum a lugar nenhum: um monumento ao espaço. ponte venerada por ser matéria; veneração ao concreto. escavadeiras como veículo “que torna o sonho possível”. é como se a decisão de um fosse de muitos, mas não. vilarejo pacato com síndrome de auto-depreciação, alumínio. terras férteis e de bom grado, mas não, escrutínio, quero ser grande, quero ser maior, quero ser super que é para não ter medo, coisificar, tornar planas as montanhas, construir teleféricos inertes, casas sobrepostas – que chique, os arranha-céus! para onde foram os novelos, os sem medo que …

manifestações: travesti

travesti é amor. aqui, outros nomes, uma apropriação. mídia travesti de asinhas de fora, se faz de amiga, quer assaltar as máscaras de multidão. violência de estado corrompeu nossas ruas. contação de alertas, gente no chão: pensamento difuso, escreve-se para fagocitar os termos, desentranhar os caminhos por entre as nervuras do acontecimento. derivaceleste: saber emaranhar os acasos nas estranhas lágrimas provocadas pelos anteriores. o medo, a sede, a luta e o sossego se contaminam uns aos outros até não existirem mais. não há permutas, marmotas, percepções inertes ou qualquer outro sentido além daquele visível, ainda que tão turvo, paspalho: serão …